segunda-feira, 8 de setembro de 2014

De sair de casa...

O meu irmão vai para a universidade. Soube no sábado que entrou na sua primeira opção, Bioquímica em Lisboa e eu não podia estar mais contente por ele. Como ele tinha uma média relativamente alta em relação aos últimos colocados dos 3 anos anteriores, era quase certo que ia entrar, pelo que já foi ver de casa há 2 semanas e já tem tudo tratado para se ir matricular durante esta semana.
E é aqui que começa uma nova etapa para o meu pequenito. É o segundo de três filhos que sai de casa, deixando para trás a mãezinha (que, mãe-galinha como é vai ligar-lhe todos os dias, pode que duas vezes ao dia – eu sei do que falo), o traquina pequeno de 9 anos e o pai.

Ele está ansioso por sair de casa e começar uma nova vida noutro lado, novas amizades, talvez uma relação amorosa, e acho que isto vai ser uma das melhores e maiores experiências que vai ter. Não só pelas coisas boas de viver fora de casa, sem ser controlado constantemente pelos pais, ao mesmo tempo que vive à custa deles, sem responsabilidades financeiras, mas também pelas coisas menos boas de viver longe, sem ninguém conhecido e que nos fazem crescer e amadurecer como pessoas.
A verdade é que viver longe é bom, muito bom, mas tampouco é fácil. Sim, ao principio é a novidade, a descoberta e a aventura; porém chega um momento em que olhas para trás e vês aquilo que deixaste, a família, os amigos de sempre, o conforto de um lar que, passe o que passe, seguirá sempre sendo a tua casa.

Admito que não trocaria a liberdade que tenho hoje para voltar a viver em casa. Ainda assim, também não nego as saudades constantes que com o tempo não desaparecem, ainda que se tornem mais fácies de suportar. Desde que saí de casa, há 4 anos, que cresci como pessoa e aprendi coisas que jamais poderia ter imaginado e acho que isso faz-nos falta a todos como seres humanos; este processo de transição, deixar o ninho e voar. Dentro de alguns anos espero ser independente economicamente, fazer a minha vida, criar a minha familia, ter a minha casa, sabendo sempre que o nosso verdadeiro lar é aquele que levamos sempre no coração :)


Boa sorte maninho :D

6 comentários:

  1. boa sorte ao teu irmão! :)

    Eu também vou embarcar nessa aventura que é a faculdades, vamos a ver :P

    ResponderEliminar
  2. A minha irmã também vai agora embarcar nesta aventura :P Realmente não há nada como sair de casa; aprendemos e crescemos imenso, e há ainda aquela óptima sensação de podermos fazer o que quisermos quando quisermos e de termos mais privacidade do que em casa dos pais. Claro que existem sempre as saudades e que a nossa casa será sempre a nossa casa, mas é uma questão de hábito. Acho que toda a gente devia passar por esta experiência, mesmo que seja difícil =)

    ResponderEliminar
  3. Olá! Nomeei-te para o The Very Inspiring Blogger Award (http://anopenbook-ds.blogspot.pt/2014/09/the-very-inspiring-blogger.html)

    ResponderEliminar

Muito obrigado por comentares o meu cantinho :D